O MERCADO ATACADISTA DA CRAISA
A MEIO CAMINHO ENTRE O PRODUTOR E O CONSUMIDOR

 

Como parte importante de suas atividades, a CRAISA, localizada em um terreno de 160 mil metros quadrados, mantém em suas dependências um Mercado Atacadista, o CEASA DO GRANDE ABC, que funciona em uma área construída de 9.500 mē. O mercado conta hoje com 60 permissionários e mais de 20 produtores que comercializam anualmente, em média, 160 mil toneladas de hortigranjeiros.

Estes números o elevam à condição de um dos principais CEASAS do Estado, tanto em comercialização como em produtividade por metro quadrado. Em quantidade de produtos comercializados, ele é superado apenas pela CEAGESP (ETSP) e pelas CEASAS de Campinas e Ribeirão Preto.

O Mercado Atacadista da CRAISA é um dos principais instrumentos de que a empresa dispõe para a concretização da sua missão - há outros, como os sacolões, feiras livres e o acompanhamento da evolução dos preços dos itens da cesta básica nos supermercados -, atividade que, evidentemente, tem reflexos nesse mercado e em toda a região do ABC.

Sua localização estratégica, lhe confere ainda outro diferencial de grande importância: a proximidade do cinturão verde paulista, principal zona produtora de hortifrutigranjeiros do estado, ou seja, um grande centro consumidor, articulado a uma importante área produtora, apoiada por uma rede de acessos fáceis para as principais vias paulistanas: 5 km da Rodovia Anchieta e a 7 Km da Rodovia dos Imigrantes, oferece ainda fácil ligação às Rodovias Presidente Dutra, Ayrton Senna e Fernão Dias e, através da Marginal Pinheiros, das rodovias Anhanguera, Bandeirantes, Castelo Branco, Régis Bittencourt e Raposo Tavares.

Tudo isto faz do Mercado Atacadista da CRAISA um pólo natural de comercialização.

LOCALIZAÇÃO ESTRATÉGICA

REGIÃO COM ALTO PODER DE CONSUMO

DISPONIBILIDADE DE ÁREA

 

 

UM GRANDE CENTRO DE ABASTECIMENTO
NO CORAÇÃO DO ABC PAULISTA

Localizada no Grande ABC, contando com uma população aproximadamente de 700 mil habitantes, Santo André é o centro de um mercado de imenso potencial, formado pelas Cidades do GRANDE ABC - São Caetano, São Bernardo do Campo, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. Esta região tem perto de 2,5 milhões de habitantes, cuja renda per capita está acima da média nacional, ocupando a posição de 3° pólo consumidor do país.

Santo André é servida por uma excelente infra-estrutura viária, com fácil acesso para as principais rodovias, como a Anchieta, Imigrantes, Ayrton Senna, Fernão Dias e Dutra, além da Baixada Santista e Zona Leste da Cidade de São Paulo. Conta, também, com uma boa estrutura de comunicações, além de estar desenvolvendo, com extrema rapidez e eficiência, um setor terciário em franca expansão.

No cenário atual, diante da tendência de descentralização da indústria, o nosso perfil econômico vem assumindo novos contornos, com a região caminhando passo a passo na direção de consolidar-se como um grande centro consumidor, com intensa atividade no setor terciário, aproveitando-se de uma infra-estrutura de transportes e serviços desenvolvida ao longo desse período. E nesse processo o poder público vem desenvolvendo um papel fundamental, propondo alternativas e opções para a consolidação econômica da região.

Apesar dessa mudança, verifica-se que não houve progressos nos mecanismos de Abastecimento Alimentar da região que, devido ao seu perfil de consumidor e não de produtor, se vê atrelada a uma estrutura inadequada de distribuição de alimentos.

A proposta de modernização do pólo consumidor ABC vem ao encontro da discussão sobre os rumos da economia regional e do seu processo de desenvolvimento, que têm recebido apoio e iniciativa de várias frentes. O Consórcio Regional reúne as Prefeituras do Grande ABC num esforço conjunto para o desenvolvimento. É o caso do Projeto de instalação do Porto Seco em Santo André, da construção do Rodoanel Metropolitano de São Paulo e da recuperação da avenida dos Estados. Estas ações são fortes indicativos de que o ABC está inserido num contexto de crescimento e desenvolvimento.

Com o Projeto de recuperação da Avenida dos Estados a meta é transformar o complexo viário e ferroviário construído em torno da Avenida dos Estados em uma porta de entrada da Grande São Paulo.

Aproveitando sua privilegiada situação geográfica, que a coloca como um importante corredor (no centro de uma área de 700 hectares ao longo de 10 quilômetros) entre as cidades de São Caetano do Sul e a divisa de Mauá, o Eixo Tamanduatey deve potencializar sua posição estratégica para a metrópole, abrindo acesso a todo o ABC, à Baixada Santista e à Região Leste da Capital.

E é exatamente à beira da Avenida dos Estados que está situada a CRAISA - Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André.